Dr. James Schaller, MD
main page books and articles schaller health creed facebook testimonies search
menu main page what's new second opinion new patient meet doctor schaller location, travel

Especialista Expert em Lyme Doença Borrelia, Babesia e Bartonella Tratamento América do Sul e do Brasil

o Brasil e os Países de Língua Espanhola estão inundados com Infeções da Carraças e da Pulga.

Os Tratamentos da doença de Lyme rarely starts the same year as an invisible bite.

James Schaller, MD, é um Pirofilítico Autor de 12 Livros sobre Infeções Carraças, e é uma Autoridade e Especialista neste Tipo de Problemas.

Este explica por que razão os cidadãos alemães, brasileiros as Nações espanholas Recuperam Rapidamente das Infeções causadas pelas Carraças e Pulgas Como a doença de Lyme, Bartonella e Babesia by Dr. Schaller's expertise.

O Dr. Schaller oferece Consultas de 10 Minutos Gratuitas e Livros Gratuitos: www.PersonalConsult.com e (239) 263 0133.

O Dr. Schaller Alerta: O desconhecimento da Babesia e Bartonella education-- um Desastre que provoca Obesidade, Enxaquecas, Fatiga e “Fibriomialgia”, Suicídio, Raiva, Doenças de Coração, Derrames, Fadiga Profunda e Autoimunidade.

O Dr. Schaller oferece Consultas de 10 Minutos Gratuitas e Livros Gratuitos: www.PersonalConsult.com e (239) 263 0133

Estou a escrever atualmente uma 13ª versão atualizada de um texto sobre a infeção da carraça e da pulga para ajudar os muitos bons curadores e pacientes à procura do mais recente conhecimento e do melhor tratamento personalizado. Por si só, baseia-se em mais de 5000 páginas de referências. Abaixo está uma pequena amostra dos pontos deste texto do livro.

Ao estudar a emergência de infeções, a aprendizagem deve ser um processo contínuo. Muitos testes indiretos muito úteis e opções de tratamento devem ser atualizados em cada temporada, porque esta é uma superespecialização na cura e exige no mínimo dez horas de leitura de literatura médica atual todas as semanas apenas para se manter atualizado.

Eu desenvolvo a minha atividade com base na compreensão da pesquisa e obra criada por pelo menos 300 autores e profissionais médicos e apesar de podermos nem sempre estar de acordo, eles inspiram-nos a todos a encontrar novas informações cruciais.

Deve ter-se em atenção que um resultado negativo, como a descoberta de que um determinado tipo de tratamento falha ou apenas baixa os níveis da bactéria de Lyme e não os da bactéria da Bartonella, é sempre muito útil. Um tratamento deficiente conduz ao aumento da doença com o tempo, mesmo que nos meses iniciais pareça ser útil.

Por favor, considere os pontos abaixo. O meu objetivo não é que concorde comigo a 100%, mas permitir-lhe que reflita sobre estas questões.

  1. 99% dos probióticos são muito fracos. Há quinze anos aderi a alguns probióticos preferidos devido à habitual atração numa publicidade e no frasco, ou seja, muitas estirpes em números de colónia elevados. Coloquei trabalhadores da área dos cuidados de saúde a tomar doses elevadas desses probióticos, após o qual interromperam durante cinco dias e fizemos uma cultura de fezes. Cada amostra de fezes produziu o mesmo resultado: uma falta total de bactérias boas necessárias à saúde. Estas marcas não iriam prevenir uma infeção C. difficile dos intestinos – um verdadeiro problema. Não deve ser administrado a ninguém um antibiótico por qualquer período – 2 dias ou 2 meses – sem os melhores probióticos. Refiro este tópico mais detalhadamente no meu primeiro livro, The Diagnosis and Treatment of Babesia (O Diagnóstico e Tratamento da Babesia). Se nenhum número de outras mais designações acompanhar o nome da bactéria, trata-se de uma estirpe que normalmente não tem nenhuma prova de que pode ligar-se e proliferar nos 30 pés do intestino. Ter apenas uma estirpe de bactéria boa é como ter apenas um dedo.
    1. Alguns probióticos sem nenhumas estirpes específicas têm sido utilizados na pesquisa com vista a diminuir a doença intestinal. Por exemplo, estes referem apenas um “acidophilus.” Eu encararia isto como uma possibilidade de utilização, visto que um estudo de pacientes no mundo real aparenta oferecer uma vantagem, ainda que possa ter estirpes não otimizadas.
  2. Em suma, sugiro que a utilização de antibióticos nunca deveria ser realizada sem uma seleção cuidadosa de probióticos de qualidade superior – a duração da utilização do antibiótico não é relevante. Há sempre algum risco desconhecido. Comece sempre um tratamento de cada vez, e não adicione ou aumente duas coisas no mesmo dia. Há anos, o presidente de um famoso departamento médico da Ivy League e editor de uma revista pediátrico importante pediu-me que escrevesse sobre a dosagem da medicação para diminuir os efeitos secundários. Uma parte disto é conseguida começando simplesmente com uma fração da cápsula ou comprimido mais pequenos, e isto pode ser aumentado rapidamente ao longo de 48 horas, sem dor.

    Além disso, todos os tratamentos de todos os tipos precisam de ser isolados. Normalmente, deve adicionar apenas um novo tratamento de cada vez, e não mais do que uma coisa nova num dia. Mais, se aumentar uma dose, é considerado um tratamento novo. Por conseguinte, se começar três coisas e não se sentir bem, tiver uma erupção cutânea ou não lhe for possível trabalhar devido ao tratamento, não tem ideia sobre a maneira de adaptá-lo. Porquê? Tem três causas possíveis para o seu problema. Dizerem-lhe para “sorrir e aguentar” não é muito atencioso e não é cuidado personalizado/adequado. Se podemos adequar um fato, podemos adequar intervenções bioquímicas. É muito surpreendente a quantidade de receitas de rotina que existem na infeção da Carraça e no medicamento para a doença de Lyme. Por exemplo, uma colher de chá de 750mg de Mepron tomada duas vezes por dia [este artigo de 1995 sobre a dosagem da Babesia não ajustou a dose proposta em 17 anos] com 250 mg de azitromicina duas vezes por dia. Para fazer isto é muitas vezes adicionado o Rocephin IV a 3 gramas por dia, com pouca ou nenhuma proteção da vesícula biliar, não a uma cuidadosa solução injetável de baixa dosagem ou um creme transcutâneo a fim de confirmar a não alergia com uma dose inicial de1/4 de um grama, no primeiro dia. Para a Bartonella, que é mais comum do que a doença de Lyme e possui mais vetores do que qualquer infeção na Terra, as pessoas experimentam de forma rotineira falhas no tratamento com azitromicina, levaquin, rifampicina, mycobutin, HBO (Tratamento com Oxigénio Hiperbárico) e infusões à base de plantas e outras opções que somente se crê apenas que funcionam no caso de alguém “se sentir melhor”. Os curadores não sabem como utilizar os ensaios indiretos para acompanhar a Bartonella ou a Babesia, as quais têm mais espécies e estirpes em emergência praticamente de poucos em poucos meses.
  3. Sendo mais moral do que a DEA. Alguns pacientes necessitam de tratamentos fortes para manterem os seus empregos ou funcionarem na escolar. Estes podem incluir medicamentos para dormir, para a ansiedade, concentração, dor ou depressão. Algumas opções são medicamentos convencionais que constituem substâncias controladas. Estes podem todos ser administrados através de tratamentos transcutâneos (tratamentos que passam através da pele). Algumas pessoas podem rejeitá-los como “antinaturais”, talvez porque não têm sido utilizados de forma cuidadosa. É necessário que mais curadores compreendam que estes medicamentos não podem ser administrados num cérebro infetado ou inflamado segundo as “as formas sugeridas, rotineiras”.
      Se um paciente tiver depressão, fadiga e problemas de concentração, sabe qual destes deve ser tratado em primeiro lugar? Recomendo vivamente que a depressão seja sempre tratada antes da ansiedade, e a ansiedade antes das falhas de concentração. Se não o fizer cuidadosamente e em colaboração estreita entre o paciente o e curador, pode provocar um acúmulo/acumulador químico.
    1. As outras opções para a depressão, ansiedade, concentração ou dor podem ser denominadas de “medicina funcional, integrativa ou alternativa”. Algumas destas são muito eficazes, mas podem falhar no caso de infeção neurológica ou inflamação cerebral. Por exemplo, o SAMe é um antidepressivo extraordinário mas a Erva de São João é, normalmente, ineficaz numa depressão grave. Nenhuma única escola de medicina possui todas as respostas. Por conseguinte, o meu apelo é estar aberto ao que funcionar. Aa opções “naturais” são muitas vezes extremamente úteis. Contudo, em algumas áreas temos opções naturais muito limitadas. Alguns profissionais de cuidados de saúde estão entusiasmados acerca de um tipo de tratamento. Ficamos entusiasmados quando as experiências da Sr.ª Jones ou do Sr. Smith ajudam a partir de uma ampla variedade de tratamentos possíveis, e os laboratórios indicam que, de facto, o tratamento está a resultar. Cada paciente vem à frente de qualquer tipo de tratamento preferencial.
  4. A Bartonella não é uma nota de rodapé e é mais comum do que a doença de Lyme. Há muitos anos atrás quando me envolvi inicialmente na fantástica especialidade da medicina infeciosa da carraça e da pulga, ninguém levava a sério a Bartonella. Esta foi apresentada como uma infeção fácil de matar e sem interesse algum real. Raramente era discutida nos encontros de medicina infeciosa, em orientações ou livros sobre doenças infeciosas. Reparei no mesmo após a publicação de cinco livros abordando a Babesia; os livros sobre parasitas que comprei só continham duas páginas sobre esta séria e perigosa infeção agora claramente no nosso fornecimento sanguíneo.
    1. Um dos meus livros sobre a Bartonella mostrou que as infeções desta doença apresentavam não apenas dois ou três padrões de pele, mas um grande número! Esta constituiu uma ferramenta de diagnóstico completamente nova e massivamente expandida baseada na leitura da literatura mundial e no exame de pacientes gravemente infetados. Foi também surpreendente que ninguém estivesse à procura dos químicos modificados pela presença da Bartonella e pela dinâmica destas substâncias químicas quando tanto a Babesia como a Bartonella estão presentes. Pode ler isto nas últimas secções do meu livro, Babesia Update 2009.
    2. Este ano, foi acrescentada uma nova espécie de Bartonella humana às mais de 35 espécies de Bartonella publicadas publicamente nos bancos de Dados Genéticos. Foi descoberta e salientada pelo talentoso veterinário investigador, Edward Breitschwerdt. Este disse as coisas de forma mais clara do que as ideias que eu escrevi em 2005, enquanto lia a maior parte do meu livro Bartonella. Com uma clareza devastadora e altamente útil, ele afirma que os ensaios da Bartonella são terríveis, os tratamentos medíocres, que é normalmente encontrada no lado exterior das células sanguíneas vermelhas, e que a pesquisa atual sobre a mesma é patética – um estudo realizado no NHI. Se isto não fosse suficiente, em 2011 ele disse que “A Bartonella é transportada por mais vetores do que qualquer infeção na Terra.” Assim, é praticamente uma “co-infeção” da porta dos fundos. Com efeito, este mês foi literalmente demonstrado que a Bartonella modifica o AND humano. As implicações desta possibilidade são enormes e podem apoiar o que relatei há seis anos atrás – a Bartonella não é destruída simples e facilmente. O meu apelo é simples: tratá-la como uma infeção de nota de rodapé está desatualizado e é prejudicial.
    3. Com base na posição acima de que a Bartonella possui o número mais amplo de vetores na natureza, talvez a doença de Lyme seja a “co-infeção.”
    4. Por último, ficaria feliz se fosse apenas referida nas diretrizes das doenças infeciosas do carrapato e da pulga.
  5. Os tratamentos para a Bartonella têm por base ensaios terrivelmente obsoletos ou são muito experimentais sem prova real por testes avançados diretos e indiretos. Fico constrangido por admitir que há seis anos atrás pensava que podia excluir a Bartonella através de um teste simples de anticorpos – um IgM e um IgG. Quando estava a ser testada apenas uma espécie para a América do Norte, era também fácil ignorar que outras espécies de Bartonella infetam os seres humanos. Além disso, em 2005 fiquei admirado por saber o quanto a Bartonella suprime a imunidade. Ela baixa a febre e às vezes deixa anticorpos para muitas infeções comuns transmitidas do carrapato e da pulga. Mais, descobrimos que os tratamentos mais propostos na medicina tradicional e integrativa, na melhor das hipóteses atordoava a Bartonella, e que não curam ou mesmo reduzem muito a carga corporal. Os tratamentos que são promovidos porque os pacientes “sentem-se melhor” não constituem uma prova clara. Os pacientes sentem-se melhor por 100 motivos, e isso não é ciência, é psicoterapia. Muitos curadores que tratam a Bartonella estão a utilizar boas opções de tratamento, mas não sabem como utilizar os testes indiretos e diretos para confirmar a eficácia. Isto significa que as variáveis dos tratamentos são caóticas e, por vezes, os tratamentos são misturados como um ensopado. Esta abordagem é muito perigosa porque a Bartonella pode causar a morte literal, além de lesar todos os órgãos de 20 maneiras diferentes (baseado numa revisão da literatura mundial).
  6. O melhor tratamento para si não consiste apenas num tipo de intervenção. Nunca deve ser tratado por uma escola de cura única ou por uma filosofia de tratamento. Demasiados curadores estão apenas a utilizar as opções que estão enraizadas na sua formação. O tratamento das infeções por carrapato afeta muitos sistemas corporais e deve envolver muitos tipos de medicina. Portanto, os curadores precisam de conhecer muitos tipos de medicina. Podem ser de utilidade muitos tipos de cura. Mas acredito também que, em cada escola de cura, algumas partes não têm utilidade no tratamento das infeções transmitidas pelo carrapato e pela pulga. Um motivo pelo qual tive que aprender tantos tipos de medicina ao longo das últimas duas décadas é que a minha formação foi obviamente um ponto de partida como um curador. Tive que experimentar tantos tratamentos credíveis de diferentes tipos porque estes ofereciam a melhor ajuda aos pacientes. Nenhum tipo de tratamento único funciona para todas as facetas das infeções transmitidas pelo carrapato e pela pulga. Tem que se ter um amplo leque de opções.
  7. O tratamento para sempre com fraco acompanhamento pode ser barato, mas trata-se de um cuidado de saúde muito pouco adequado. Atualmente, conduzo o carro mais barato que consegui encontrar. Se um todo-o-terreno enorme me bater, eu sou o brinde. Qual o objetivo do exemplo? Você obtém aquilo que paga. Se alguém estiver a ver 20 ou mais pacientes por dia, dificilmente vai conseguir adaptar e ajustar as muitas facetas do seu tratamento. As infeções causadas pelos carrapatos atingem praticamente todas as partes do corpo. Portanto, um curador tem que conhecer muitos sistemas do corpo – hormonas, inflamação, nutrientes, melhorar rapidamente a funcionalidade, ajustar a medicina, prevenir o cancro e prevenir os coágulos. Além disso, deve entender que que estas infeções podem afetar cada órgão ou sistema químico do corpo humano.
  8. A mordedura que vê e o torna gravemente doente, raramente é a primeira mordedura. Embora seja bem conhecido que os estágios mais comuns das mordeduras dos carrapatos são muito difíceis de ver, o que não é apreciado é que, com base em estudos com animais, qualquer erupção pode ser um sinal de uma mordedura passada que aconteceu 1, 5, ou 20 anos antes. Além disso, os testes de laboratório mais avançados e informados, mostrando o efeito bioquímico de dominó das infeções por carrapatos ao longo dos anos, são muitas vezes muito anormais em pessoas que relatam sintomas de uma “primeira mordedura.”
  9. O diagnóstico das infeções causadas por carrapatos e pulgas é sujo, confuso e pouco fácil. Por exemplo, o que pensa quando o teste ELISA para a doença de Lyme é negativo, só a banda da “impressão digital” IgG 23 da infeção da doença de Lyme no western blot é positiva, e um teste PCR para a mesma doença é positivo? Que não se encaixa em algumas fórmulas propostas na medicina infeciosa emergente. Além disso, na medicina tradicional, um diagnóstico é feito através de um histórico excelente e entrevista do paciente, seguido por um exame físico – os laboratórios apenas apoiam o diagnóstico. Esse constitui um motivo que observei as diferenças dermatológicas nos vastos números de pacientes gravemente infetados pela Bartonella em comparação com pacientes normais não infetados. A Bartonella altera os vasos sanguíneos e os tecidos da pele em talvez mais de 80 marcas na pele. Quando comecei a descobrir os vastos números de sinais de pele publicados e não publicados, eram discutidos apenas 2 ou 3 padrões. Agora, pouco a pouco, as pessoas estão a citar e a colocar imagens da Bartonella que nunca existiram como “imagens da Bartonella” nos 100 anos desde a sua descoberta.
    1. O teste atualmente proposto para a doença de Lyme é o ELISA. Apenas se for positivo se considera quaisquer outros testes. Apesar do ELISA constituir uma ferramenta, não é perfeita e o número de pacientes claramente doentes com infeções transmitidas por carrapatos e pulgas que vi com um teste negativo ELISA preocupa-me. Mesmo que fosse d90% sensível ou mesmo 97%, isso é seguro? E o que faz quando o ELISA muda de positivo para negativo (ou vice-versa) sem qualquer intervenção médica? Como disse, o diagnóstico é confuso em infeções emergentes, e essa é a realidade. Para manterem os seus contratos de seguros, os médicos têm que pedir o menor número de testes possível – é como uma fonte de orgulho e capacidade. Surpreendentemente, os membros do conselho médico, nomeados como uma recompensa pelo envolvimento na medicina política, estão a agir para as companhias de seguros devido tanto a um excesso de dependência de um laboratório para efetuar os disgnósticos e, muitas vezes, denominam os testes de laboratório mais completos que mostram resultados positivos de “laboratórios desperdiçados” e de “má medicina”.
    2. Se é suficientemente bom para a Mayo, o Hopkins e a Clínica de Cleveland, é certamente suficientemente bom para qualquer médico apaixonado que queira realizar um trabalho bom e completo. Ninguém ousaria atacar um médico da Ivy League por pedir testes de laboratório extras.
  10. A doença de Lyme não existe e nunca existiu sozinha dentro da principal doença infeciosa por carrapatos, a Ixodes tick. Procurar por “doença de Lyme ” é medicina dos anos 80. Eu não perderia tempo a discutir todos os vários agentes infeciosos que são transportados dentro da Ixodes tick. Mas se a boca humana tem cerca de 400 infeções possíveis, como o Dr. Robert Bransfield nos recorda, certamente a “sujidade” do habitat, dos carrapatos é um local para grandes números de vários agentes infeciosos. Todos os anos aumenta o número de vírus, bactéria e espécies de bactéria ou de protozoários descobertos dentro do carrapato. Obviamente, aqueles laboratórios utilizados como os principais instrumentos de diagnóstico estão muitos anos atrás das infeções descobertas das Ixodes ticks.
  11. A nova onda da zombaria da doença de Lyme ou da infeção Babesia é tanto ingénua como desagradável para os pacientes. As infeções por carrapatos são infeções emergentes. Emergente significa que ninguém tem fundamentos para ser arrogante. Algumas pessoas creem que os médicos são úteis apenas quando “reasseguram” aos pacientes que eles não têm nenhuma das centenas de espécies possíveis e variantes dos agentes infeciosos transportados numa Ixodes tick. Visto que cada vez mais população se está a afastar da medicina tradicional (MD) alopática, talvez este não seja um bom assunto para zombar. Pode-se sugerir um curso de ação para qualquer infeção. Mas a noção de total domínio mostra uma falta de conhecimento em relação às muitas formas sujas que existem neste grupo de infeções após uma quantas mordeduras pelo carrapato Ixodes ao longo dos anos. Recentemente uma pesquisa propôs a possível presença de várias células parasitas num carrapato Ixodes. Se você pode encontrar material de maior parasita dentro do intestino de um carrapato, você pode encontrar praticamente qualquer coisa. Se conseguir encontrar material maior no intestine de um carrapato, pode praticamente encontrar tudo.
  12. A perda de conhecimento e um aumento na rigidez por vezes constitui o primeiro sintoma de um volume significativo de infeção, que vem com uma inflamação do cérebro e o cérebro do corpo. Um perigo em algumas pessoas é que elas não têm noção de que estão a perder a capacidade de produzir ou de conhecimento, porque essa consciência vem das áreas mais elevadas e mais avançadas do cérebro. A autorreflexão é um tipo avançado da função cerebral, e pode ser prejudicado se mais do que uma pequena área do cérebro for infetada e inflamada. Quando as pessoas têm este problema, podem nunca estar dispostas a ser examinadas.
  13. As infeções crónicas por carrapato ao longo dos anos reduziram os químicos anti-inflamatórios e aumentaram os químicos da inflamação com graves consequências. Quando um corpo é cronicamente inflamado, começam a ocorrer algumas outras coisas. A vulnerabilidade à autoimunidade aumenta e, dependendo do tipo de autoimunidade, pode ficar incapacitado ou morrer. Além disso, pode-se ter um aumento de alergias. Estas podem ser alergias a alimentos, medicamentos sintéticos, e às vezes até ervas. Finalmente, pode também tornar-se altamente sensível a produtos químicos voláteis, e isso exige um trabalho imenso para manter um trabalho, escola ou local de vida livre desses produtos químicos sintéticos.
  14. Os tratamentos de rotina para reverter a inflamação sistémica e profundamente arraigados são geralmente banais e ineficazes. Se ler um livro sobre a redução da inflamação, irá ver as mesmas 20 opções que estão enumeradas noutros livros ou artigos de revistas. Infelizmente, estes não funcionam quando se trata de imensas inflamações secundárias de longo prazo a uma série de infeções transmitidas por carrapatos e pulgas. Temos algumas opções para este problema, mas estes estão fora do âmbito deste artigo.
  15. A dose que provoca o sofrimento não é necessária para a destruição eficaz. Alguns curadores pensam que você nunca deve sentir um antibiótico efetivo, e outros pensam que não está a obter quaisquer benefícios a menos que se sinta pessimamente. Como disseram os gregos e Calvino, talvez a melhor posição seja a do meio. Se um medicamento provocar desconforto não se trata de um efeito secundário, por isso talvez a dose deva ser reduzida para uma dose precisamente abaixo da “dose de sofrimento”. Fico quase constrangido por levantar esta questão, mas é muito comum fazê-lo.
  16. É necessária farmacologia muito avançada para abordar a depressão, a irritabilidade, a ansiedade, a raiva, a fadiga, a insónia, as deficiências cognitivas e a perturbação que não são de todo raras nas infeções por carrapatos e pulgas não tratadas durante um significativo período de tempo. Isto é de fundamental importância, e poucos médicos estão familiarizados com a dosagem para estas infeções e com a presença comum de inflamação no cérebro que provoca estes problemas. Por exemplo, aconselhamos que todos os tratamentos anti-infeciosos ou tratamentos de humor, sob a forma de cápsulas, comprimidos, cremes, óleos transcutâneos ou chás nunca devam ser iniciados sobre a marca de1/4 da menor opção. No entanto, a dose final eficaz pode ser profundamente elevada. Os problemas emocionais e de caráter que referi nesta secção são sujeitos a infeções, restos de infeções e inflamação do cérebro, e não constituem transtornos psiquiátricos primários.

James Schaller, MD, MAR

James Schaller é um médico estudioso/investigador a tempo inteiro que trata pacientes que não conseguiram melhorar sob os cuidados de cinco a uma centena de curadores. Os seus pacientes vêm de toda a América do Norte, Europa e América do Sul, Austrália e de todo o globo. Ele foi eleito pelos médicos como o “Melhor Médico” nos melhores 5% e classificado de maneira igualmente elevada em três prémios nos últimos dois anos. É o autor de 12 livros sobre infeções por carrapatos e pulgas, 34 livros no total e 27 artigos de revistas de topo revisto pelos pares. Alguns destes artigos e entradas dos livros sobre infeções são sobre a Babesia, a Lyme, e a Bartonella.

©2011 James Schaller, MD. Todos os direitos reservados (versão 21). Este artigo pode ser publicado gratuitamente apenas com intuitos solidários. Não é permitido a ninguém tirar lucros a partir deste material ou vendê-lo a não ser uma taxa mínima para cobrir os custos das cópias e impressões. Pode ser traduzido para qualquer idioma gratuitamente sem necessidade autorização do autor.


Bank Towers, Tamiami Trail, Naples, FL
disclaimer privacy